A "dieta mediterrânica", reconhecida pela UNESCO como Património Cultural Imaterial da Humanidade, é encarada como um contribuinte indispensável para a promoção de um estilo de vida saudável.

A estratégia nacional para a promoção e salvaguarda da Dieta Mediterrânica como instrumento de desenvolvimento do território, levada ao cabo pelo Centro de Competências para o DM, conta já com a colaboração de várias entidades.

Neste âmbito, no dia 18 de novembro, a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo, em colaboração com a Universidade do Algarve (UAlg),realizou um grupo focal, no âmbito do Projeto MED Territorial, focando os desafios à promoção e da Dieta Mediterr na região.

Com esta metodologia o DRAP Alentejo pretende divulgar os valores, a cultura e o património da DM, com vista para a identificação de seu conceito e das suas potencialidades e desafios na região do Alentejo.

A sessão, dirigida às principais entidades e individualidades com responsabilidades nesta área, tem como objetivo aumentar o adesão dos cidadãos à Dieta Mediterrânica e estimular a discussão de ideias em torno da mesma.

De igual modo, no dia 9 de dezembro, foi realizada uma sessão de trabalho, para delinear o Plano de Ação Ação na valorização da Dieta Mediterrânica na região. Este debate, integrado no Projeto "Salvaguarda da Dieta Mediterrânica para a promoção de um estilo de vida saudável e modelo de sociedade sustentável", teve também como colaboradores, entre outras entidades regionais, a Rede de Instituições de Ensino Superior para a Salvaguarda da DM (RIESDM) e a Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural.